Happiness is handmade.

Na myintegralis privilegiamos o cuidado, a personalização e a individualidade. É, por isso, uma agência de consultoria alimentar pensada na mudança e na vontade de sermos melhores, com foco na aprendizagem e desenvolvimento de projetos ligados à alimentação vegetariana e saudável.

SABE MAIS SOBRE A AGÊNCIA

formações

Acreditamos que o conhecimento é poder. Nas formações myintegralis damos as ferramentas para sermos capazes de ver a alimentação e bem-estar como um todo, onde existe uma perfeita combinação entre o alimento, o corpo e a mente.

Ver cursos e workshops

produtos vegetarianos

Produtos vegetarianos com ingredientes verdadeiros e naturais, pensados para toda a família. Produção local e artesanal, com uma pitada de amor à mistura.

encomendas

lifestyle

Desde temas ligados ao consumo sustentável, passando pela nutrição, até à maternidade e viagens, este é um cantinho onde partilhamos alguns dos nossos interesses e estilo de vida.

ver artigos

Acompanha-nos nas redes sociais e não percas as novidades que temos para ti!

É isto que colocas no teu prato todos os dias? 🍽️

Montar um prato vegetariano nutricionalmente equilibrado não tem de ser difícil (nem mais caro!). O primeiro passo é substituir a proteína animal, por proteína vegetal. Então, garante que normalmente o teu prato é constituído por:

➡️ 1/4 leguminosas (grão, feijão, ervilhas, fava, etc) ou outra proteína vegetal, como soja, tofu, tempeh ou seitan;
➡️ 1/4 do prato por cereais, de preferência integrais (massa, arroz, quinoa, trigo sarraceno, aveia, centeio, cuscuz, etc) 
➡️ 1/2 prato por hortícolas (a privilegiar os de folha verde escura, ricos em ferro e os vegetais ricos em cálcio, como os brócolos)

Importante também:
🌿 Juntar à refeição uma fonte de gordura boa (azeite, linhaça, abacate, outras sementes ou frutos gordos);
🌿 Terminar a refeição principal com uma fonte de vitamina C (laranja, abacaxi, kiwi, etc), de forma a potenciar a absorção do ferro da refeição.

Quando começamos este caminho no vegetarianismo, estávamos apenas preocupadas em não consumir carne e peixe. Só passado uns tempos é que começamos a ter em atenção aspetos que são mesmo muito importantes numa alimentação vegetariana saudável e equilibrada, que nos dê energia e nos faça sentir bem 💚

Atualmente já existe muito mais informação disponível, e profissionais especializados que nos dão os melhores conselhos e acompanhamento. É, por isso, que recomendamos sempre, a quem pretende transitar para uma alimentação mais vegetal ou até já se iniciou mas não tem muito conhecimento sobre as melhores escolhas no dia-a-dia (já para não falar da possível necessidade de suplementação), a marcação de uma consulta com um nutricionista. Deixamos aqui alguns profissionais de nutrição:

@nutri_anaafonsomartins
@ritateixeira_nutricionista
@nutricionista.tatiana
@laranja.lima.nutricao 
@compassionatecuisineblog 
@mafaldaralmeida 
@catarinalopesnutri
@barbarafdeoliveira_nutri
Joana Pinheiro (nutrisuperhealth)
@ovegetariano.pt
É isto que colocas no teu prato todos os dias? 🍽️ Montar um prato vegetariano nutricionalmente equilibrado não tem de ser difícil (nem mais caro!). O primeiro passo é substituir a proteína animal, por proteína vegetal. Então, garante que normalmente o teu prato é constituído por: ➡️ 1/4 leguminosas (grão, feijão, ervilhas, fava, etc) ou outra proteína vegetal, como soja, tofu, tempeh ou seitan; ➡️ 1/4 do prato por cereais, de preferência integrais (massa, arroz, quinoa, trigo sarraceno, aveia, centeio, cuscuz, etc) ➡️ 1/2 prato por hortícolas (a privilegiar os de folha verde escura, ricos em ferro e os vegetais ricos em cálcio, como os brócolos) Importante também: 🌿 Juntar à refeição uma fonte de gordura boa (azeite, linhaça, abacate, outras sementes ou frutos gordos); 🌿 Terminar a refeição principal com uma fonte de vitamina C (laranja, abacaxi, kiwi, etc), de forma a potenciar a absorção do ferro da refeição. Quando começamos este caminho no vegetarianismo, estávamos apenas preocupadas em não consumir carne e peixe. Só passado uns tempos é que começamos a ter em atenção aspetos que são mesmo muito importantes numa alimentação vegetariana saudável e equilibrada, que nos dê energia e nos faça sentir bem 💚 Atualmente já existe muito mais informação disponível, e profissionais especializados que nos dão os melhores conselhos e acompanhamento. É, por isso, que recomendamos sempre, a quem pretende transitar para uma alimentação mais vegetal ou até já se iniciou mas não tem muito conhecimento sobre as melhores escolhas no dia-a-dia (já para não falar da possível necessidade de suplementação), a marcação de uma consulta com um nutricionista. Deixamos aqui alguns profissionais de nutrição: @nutri_anaafonsomartins @ritateixeira_nutricionista @nutricionista.tatiana @laranja.lima.nutricao @compassionatecuisineblog @mafaldaralmeida @catarinalopesnutri @barbarafdeoliveira_nutri Joana Pinheiro (nutrisuperhealth) @ovegetariano.pt
Daqui a 8 dias o Sebastião faz 10 meses ❤️ São quase 4 meses de (altos e baixos na) introdução alimentar. Acho que é importantíssimo falar que este tema (tal como muitos no mundo dos bebés) não é de todo como idealizamos. Eu sabia a teoria toda, sabia como preparar a comida, medidas de segurança e sinais de prontidão. Sabia que queria dar o máximo de autonomia ao meu filho e queria confiar na natureza. A IA começou muito bem, o Sebastião é extremamente curioso e este mundo novo despertou-o ainda mais. Os primeiros 2 meses correram bem, vi evolução a acontecer semanalmente e a destreza dele sempre a aumentar. Não vi porém interesse nenhum em diminuir as mamadas/quantidade de leite que pede e a quantidade que comia era mínima. Isso frustrou-me. Evolução para mim também seria ele depender um bocadinho menos de mim. Confiei, mas adotei uma abordagem mista respeitadora, em que também lhe oferecia sopa e fruta à colher nas quantidades que ele queria. Cedi aos meus medos, mas ele aceitou tão bem, que não vi grande problema. A falta de tempo também não ajuda neste aspeto. Depois vieram os 8 meses. Foi um mês intenso, que começou com a primeira bronquiolite, seguida da primeira otite e várias constipações. Coincidiu com a regressão de sono dos 8 meses, aprender a gatinhar e 2 dentes novos. Foi um mês em que pareceu que tinha novamente um recém-nascido. Deixou totalmente de comer durante semanas e a mamar de hora a hora (inclusive durante a noite). Fiquei em pânico. Consultei uma nutricionista (que me tranquilizou a dizer que estava a fazer tudo bem) e vivi preocupada. Agora aos 9, sem doenças e sem “coisas” a incomodar, voltou a comer e parece que está a compensar o tempo perdido. Aceita tudo, tanto à colher como pela mão dele (mais para brincar, mas também é importante) e está a comer o triplo de antes. Estou a ir na corrente e confiar. Este mês serviu para me lembrar que estes altos e baixos existem e vão acontecer mais vezes e que está tudo bem (desde que mame e que tenha fraldas molhadas e sujas). (Continua nos comentários 👇)
Daqui a 8 dias o Sebastião faz 10 meses ❤️ São quase 4 meses de (altos e baixos na) introdução alimentar. Acho que é importantíssimo falar que este tema (tal como muitos no mundo dos bebés) não é de todo como idealizamos. Eu sabia a teoria toda, sabia como preparar a comida, medidas de segurança e sinais de prontidão. Sabia que queria dar o máximo de autonomia ao meu filho e queria confiar na natureza. A IA começou muito bem, o Sebastião é extremamente curioso e este mundo novo despertou-o ainda mais. Os primeiros 2 meses correram bem, vi evolução a acontecer semanalmente e a destreza dele sempre a aumentar. Não vi porém interesse nenhum em diminuir as mamadas/quantidade de leite que pede e a quantidade que comia era mínima. Isso frustrou-me. Evolução para mim também seria ele depender um bocadinho menos de mim. Confiei, mas adotei uma abordagem mista respeitadora, em que também lhe oferecia sopa e fruta à colher nas quantidades que ele queria. Cedi aos meus medos, mas ele aceitou tão bem, que não vi grande problema. A falta de tempo também não ajuda neste aspeto. Depois vieram os 8 meses. Foi um mês intenso, que começou com a primeira bronquiolite, seguida da primeira otite e várias constipações. Coincidiu com a regressão de sono dos 8 meses, aprender a gatinhar e 2 dentes novos. Foi um mês em que pareceu que tinha novamente um recém-nascido. Deixou totalmente de comer durante semanas e a mamar de hora a hora (inclusive durante a noite). Fiquei em pânico. Consultei uma nutricionista (que me tranquilizou a dizer que estava a fazer tudo bem) e vivi preocupada. Agora aos 9, sem doenças e sem “coisas” a incomodar, voltou a comer e parece que está a compensar o tempo perdido. Aceita tudo, tanto à colher como pela mão dele (mais para brincar, mas também é importante) e está a comer o triplo de antes. Estou a ir na corrente e confiar. Este mês serviu para me lembrar que estes altos e baixos existem e vão acontecer mais vezes e que está tudo bem (desde que mame e que tenha fraldas molhadas e sujas). (Continua nos comentários 👇)