Consumo de água sustentável - myintegralis

A água é um recurso natural, indispensável à vida do nosso Planeta. Durante muitos anos, existiu a ideia de que era um recurso infinito, por ser um elemento natural, encontrado em abundância na Natureza. No entanto, hoje em dia, sabe-se que se trata de um recurso escasso e finito. O consumo de água desmedido coloca em constante perigo a capacidade para dar resposta às necessidades crescentes por água potável, saneamento básico, instalações seguras e prejuízos ambientais decorrentes das alterações climáticas.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), existem biliões de pessoas sem acesso a instalações seguras de água, saneamento e água potável. Para garantir o acesso universal a estas condições, em 2030, seria necessário alcançar o dobro dos progressos obtidos anualmente. Em 2025, é estimado que 1,8 biliões de pessoas estejam a viver em regiões ou países com escassez de água absoluta e metade da população esteja a viver sob stress hídrico.

O que está a contribuir em grande peso para a escassez dos recursos hídricos do Planeta é a sua utilização ilimitada, na agricultura (70%), indústria (20%) e consumo doméstico (10%). O esgotamento deste recurso natural tem impacto económico, social e ambiental e, por isso, nos últimos anos, governos, empresas e cidadãos, têm vindo a adotar medidas no sentido de responsabilizar o seu uso.

“Garantir a disponibilidade e gestão sustentável da água e do saneamento, para todos”, é uma das metas propostas pela ONU para o desenvolvimento sustentável do Planeta. E foi com este mote que a Organização criou, em 2018, o Festival de Filmes “Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável em ação (ODS em ação)”.

O objetivo deste festival incide em promover curtas-metragens sobre projetos ou pessoas que estão a promover o cumprimento dos ODS da ONU. Este ano, a vencedora da categoria “Proteger o nosso planeta” foi a portuguesa Marina Lobo, da Lisboa E- Nova, com a curta “Aquametragem”.

Na curta, podemos perceber que, tal como no panorama geral, grande parte do consumo de água, em Portugal, vem da Agricultura/Pecuária e Indústria transformadora.

Marina dá-nos sugestões de como poupar este bem comum, baseadas nos 5Rs do uso da água: reduzir o consumo, reduzir o desperdício, reutilizar, reciclar e recorrer a origens alternativas. Adotar estas medidas de carácter preventivo podem fazer a diferença de como vivemos amanhã.

Sendo apologistas de um estilo de vida consciente e sustentável, aconselhamos a visualização da “Aquametragem” e partilhamos com vocês algumas dicas que devem pôr em prática todos os dias.

Dicas para reduzir o consumo de água no dia-a-dia:

  • Fechar bem as torneiras após a sua utilização;
  • Fechar a torneira durante a lavagem dos dentes;
  • Tomar duches rápidos em vez de banhos de imersão;
  • Utilizar uma bacia com água para lavar o carro em vez de uma mangueira;
  • Encher o lava-louça com água para lavar a louça, em vez de deixar a torneira a correr;
  • Evitar o desperdício alimentar;
  • Reutilizar água para lavar o jardim (ex: água de lavar a fruta ou legumes);
  • Utilizar um balde para recolher a água do duche enquanto se espera que aqueça (utilizar posteriormente para lavar a casa ou o jardim);
  • Comprar alimentos da época (necessitam de muito menos água para ser produzidos);

 

Estas são algumas dicas que podem ajudar a reduzir o desperdício da água, no entanto, existem muitas outras para melhorar a sua gestão a que devemos estar atentos. O mais importante é estarmos conscientes de que as nossas ações no presente podem comprometer a qualidade de vida no futuro.

Print Friendly, PDF & Email