Olá pessoas lindas! A semana passada chegou o Outono e, apesar de cedo, trouxe já as primeiras constipações (as temperaturas desceram imenso de repente!). Várias pessoas à minha volta começaram com dores de garganta, tosses, espirros e eu, que é raríssimo ficar doente, apanhei uma constipação daquelas como já não lembrava de ter apanhado. Como, apesar de tudo, foi apenas uma constipação, decidi tornar-me cobaia de mim mesma e fazer a experiência se conseguiria sobreviver a isto sem recorrer a medicação. Eu digo sobreviver porque é importante termos noção que não há nada que “cure” a constipação (e a gripe, diga-se). Estas situações são causadas por vírus que se alojam na nossa garganta, nariz, pulmão e que inflamam, incham e fazem com que sejam produzidos mucos cuja função é apenas expulsar esses mesmos vírus. A medicação que existe por aí “para a gripe” serve apenas para atenuar os sintomas, o trabalho de cura é o nosso rico corpinho que tem de o fazer. Claro está, se houver sinais de infeção (pus ou febre) deve-se ir ao médico porque aí já é outra situação.

No meu caso os meus sintomas eram claros: dores de garganta, nariz ora entupido, ora a escorrer, dores de cabeça, dores corporais e mais tarde, tosse ora irritativa ora com expetoração e sem febre. Decidi então tomar e fazer as seguintes coisas e posso dizer que em 5 dias já me sinto mesmo muito melhor e que se não tivesse de ir trabalhar já tinha curado isto num instante:

  • Muito chá: um usei uma mistura que trouxe da Alemanha que se chama “chá da constipação” que é basicamente uma mistura de ervas, mas podem usar sabugueiro, equinácea, tília, etc., o importante é beber e estarmos hidratados.
  • Vitamina C: apesar de não ser época ainda, andei a beber sumo de laranja natural estes dias. Folhas verdes escuras também tem vitamina C, mas isso já é o prato diário cá de casa.
  • Chá de cascas de cebola: sempre quis experimentar esta “mézinha” e não é que resulta? Basta ferver cascas de cebola em água por 15 minutos, coar e já esta. Não sabe a cebola, é meio adocicado e muito suave e é ótimo para acalmar a tosse.
  • Sumo de limão e mel: a minha mãe fazia uma espécie de poção que nós as 3 achávamos “mágica” – ao chá adicionava meio limão espremido e 1 colher grande mel. É forte, mas infalível.
  • Mel com tomilho: o tomilho é ótimo para acalmar a tosse (até há xaropes de tomilho nas farmácias). Pus mel numa tacinha e adicionei imensas folhas de tomilho e deixei estar durante a noite. De manhã é só usar diretamente ou no chá.
  • Água do mar: ao meu querido nariz andei a “banhá-lo” com água do mar estes dias todos. Até tenho uma água do mar que tem óleos essenciais.
  • Propólis: é considerado um “antibiótico natural” e durante estes dias fartei-me de pulverizar a minha garganta com ele.
  • Óleo essencial de mentol: pôr duas gotinhas deste óleo numa chávena com água quente e inalar os vapores, é ótimo para abrir os pulmões. Também se pode esfregar nas têmporas, para aliviar dores de cabeça.
  • Pomada Vicks: esta pomada que a minha mãe nos esfregava no peito e costas tem apenas óleos essenciais (mentol, eucalipto, cânfora) e ajudam a respirar melhor quando estamos mais aflitos.
  • Equinácea: uma planta que atua como imunoestimulante, aumentando a nossa produção de glóbulos brancos (aqueles que combatem as infeções no nosso corpo) e tem grande poder anti-inflamatório. Trouxe uns rebuçados de equinácea e vitamina C da Alemanha e tem sido o meu petisco diário.
  • Refeições nutritivas: no meu caso, eu perdi o paladar e cheiro completamente durante dois dias então toda a comida tornou-se desinteressante e na maioria do tempo nem sequer tinha fome. Mesmo assim, fiz um esforço para nunca saltar refeições e comer alimentos o mais nutritivos possíveis.
  • Dormir e descansar o máximo possível: é talvez o mais importante e também o mais difícil quando temos de sair de casa para trabalhar, mas faz-se o melhor que se pode.

Isto foi o que resultou para mim e podem sempre usar algumas dicas mesmo que recorram a medicamentos, pois tudo isto só vai ajudar a fortalecer o sistema imunitário e fazer com que não voltem apanhar uma tão cedo (pelo menos, espero bem que sim!).

 

/Carol

Print Friendly