Somos gulosas, admitimos! Adoramos bolos, biscoitos, pão e docinhos. Para tentar não viver toda a nossa vida em pecado, tentamos fazer a maior parte em casa. Portanto, farinhas diversas é coisa que tentamos sempre ter à mão. Variando nos tipos de farinhas, variamos também nutrientes, consumimos mais fibras, evitamos o glúten, etc. Diferentes farinhas tem também diferentes consistências o que também faz variar as texturas finais dos pratos. Falemos então das farinhas que normalmente podem encontrar nas nossas prateleiras.

Nota: é extremamente importante a farinha ser o mais “fresca” possível, pois quanto mais tempo estiver exposta ao ar, mais oxida e isso não é nada bom para nós. Tentamos, sempre que possível, fazer em casa ou comprar farinhas com o maior prazo de validade possível. É importante acondicioná-las sempre em recipientes bem fechados.

Trigo – Integral e Branca

Esta é a farinha mais universal, a mais conhecida de todos, pois praticamente todos os pães, massas, bolos que conhecemos e que estão à venda nas pastelarias e supermercados são feitos com ela. É muito barata e contém glúten, um composto que está a ser um pouco demonizado nos últimos tempos. É o glúten que lhe confere a textura que deixa nas massas (o “fofo” do pão é o glúten a atuar). Nós utilizamos esta farinha (maioritariamente a integral) quando queremos fazer pratos que se assemelhem mais aos “originais”. Muitas vezes optamos por misturar com outras farinhas, para o prato final ficar mais nutritivo.

Aveia

É dos nossos cereais preferidos e utilizamos bastante em bolos e panquecas. Tem um gosto próprio, que nós achamos maravilhoso, e não tem glúten. Quando usada sozinha, pode deixar a massa um pouco mais pesada e convêm que se utilize um bom ligante (ovos, bananas, etc). É muito rica em fibra e tem mais proteína, o que é um grande ponto a favor. É super saciante, ajuda a controlar os picos de açúcar no sangue e, logo, a fome, e um sem número de patologias. Adoramos consumir este grão inteiro (papas de aveia é praticamente uma refeição diária de pelo menos uma de nós!), mas em forma de farinha é uma ótima opção para tornar os pratos mais nutritivos.

Trigo Sarraceno

O trigo sarraceno tem sido muito falado e é já considerado um super alimento. É rico em proteínas, fibras, ferro, vitamina B, não tem glúten e tem um baixo índice glicémico. Por aqui vemos imediatamente o porquê de estar tão em voga. É super saciante e bastante completo e por isso é uma grande mais valia incluí-lo na nossa alimentação. Em forma de farinha usamos maioritariamente em bolos, panquecas e bolachas e achamos que funciona super bem. É uma farinha “fácil” de fazer em casa (para quem tem processador), o que também é excelente visto que assim sofre muito menos oxidação. Tem um sabor neutro e não torna a massa tão pesada como outras farinhas.

Arroz

O arroz (de preferência integral) é um alimento fantástico! Super completo, cheio de fibra, hidratos de carbono complexos e alguma proteína. Tem também várias vitaminas e minerais como o magnésio, manganês, fósforo e vitaminas B. Como já vimos até agora, este tipo de ingredientes tão completos são os mais saudáveis que podemos ingerir e previnem um sem número de patologias. Não tem glúten, o que é ótimo para pessoas que o queiram evitar. Como farinha, tem um sabor neutro, mas não liga tão bem como outras farinhas, e por isso idealmente deve ser misturado com outra ou usar um bom ligante. Às vezes pode deixar a massa um pouquinho mais pesada se usado sozinho. Porém, os benefícios compensam!

Centeio

O centeio é um preferido! Adoramos pão de centeio, principalmente aqueles bem escuros. É um cereal cheio de hidratos de carbono complexos, fibra, proteína, vitaminas e minerais, como a vitamina E e o fósforo. É super saciante e ajuda a controlar o apetite. Está provado que ajuda a manter os níveis de colesterol e açúcar constantes no sangue. Porém, tem glúten, que já vimos ter vantagens e desvantagens. Pode ser de difícil digestão para alguns, mas a massa fica bem mais fofa e ligada, o que o torna perfeito para bolos e pães. Tem um sabor mais intenso e há variedades mais escuras, mas nós achamos esta característica ótima e única. Uma dica para se habituarem a ele é misturar primeiro com outra farinha à escolha.

Coco

Esta farinha é feita a partir da polpa do coco, que é desidratada e retirada parte da sua gordura. É um alimento funcional, muito usada por desportistas. A farinha de coco é rica em fibras e gorduras, gorduras estas que são rapidamente metabolizadas e por isso fornecem altas quantidades de energia. É ideal para snacks pré-treino. Além disso não contêm glúten. Tem propriedades saciantes, ajuda o nosso intestino a trabalhar melhor e pode ajudar a controlar os níveis de colesterol e açúcar. Nós usamos para enriquecer bolos, bolachas, batidos, iogurtes, etc. pois como base não funciona tão bem, mas sim, como complemento.

Linhaça

A linhaça é uma semente rica em gordura boa, nomeadamente ómega 3 e 6. Estas gorduras são extremamente importantes para o bom funcionamento do nosso organismo pois as funções celulares dependem delas. Para tudo funcionar bem no nosso corpo, temos de ingerir estas gorduras e para quem é vegetariano ou vegano às vezes pode ser difícil, pois a principal fonte são as gorduras de peixe. Nós usamos farinha de linhaça para enriquecer batidos, iogurtes, cereais, granola, saladas e nos famosos ovos de linhaça! A farinha de linhaça quando em contacto com água forma uma goma que se assemelha a clara de ovo e que funciona na perfeição para substituir ovos em bolos. Convém que ela seja moída e usada rapidamente, pois oxida, e acondicionada em frascos bem fechados. Tem muita fibra, é super saciante e basta uma pequena quantidade para obter todos os seus benefícios.

Amêndoa

As amêndoas estão na moda! É um fruto seco usado por toda a gente que quer ter uma alimentação mais saudável. São ricas em gorduras boas e tem uma enormidade de antioxidantes. É um alimento para quem quer estar bonita, por dentro e por fora, pois faz maravilhas pela nossa pele. São super saciantes e por isso previnem um sem número de patologias, como o colesterol elevado, a diabetes e até o cancro! Nós usamos em forma de farinha para enriquecer bolos, bolachas, panquecas, etc. Na altura do Natal quase todas as bolachas que fazemos levam esta farinha (e nós fazemos mesmo muitas bolachas!). Pode tornar a massa mais pesada e por isso deve ser usada numa mistura de farinhas e não como base.

Alfarroba

A alfarroba é uma vagem que quando moída dá uma farinha que tem um sabor achocolatado. Apesar de saber a chocolate, em termos de composição é bem diferente, pois o cacau tem muito mais gordura do que açúcares e a alfarroba praticamente não tem gordura e é só açúcar/hidratos de carbono. Não tem qualquer agente alergénico ou estimulante, ao contrário do cacau, e portanto para pessoas mais sensíveis ou alérgicas é um ótimo substituto. Nós usamos quando queremos fazer bolos ou bolachas como sabor a cacau. Como tentamos ter uma alimentação o mais variada possível, de vez em quando inserimos esta farinha nos nossos cozinhados.

Print Friendly